Dirigentes de entidades hospitalares e de saúde promovem rodada de benchmarking

Atividade piloto busca cooperação e solução de problemas comuns na Região Sul

Dirigentes-de-entidades-hospitalares-e-de-saúde-promovem-rodada-de-benchmarking

FEHOSUL (RS), FEHOSPAR (PR) e a FEHOESC (RS), juntamente com as associações de hospitais dos três estados da região Sul (AHRGS, AHESC, AHOSPAR), realizaram o segundo encontro do projeto piloto de benchmarking denominado preliminarmente de “G3”. Dentre os objetivos estão o de incentivar a cooperação, trocar ideias e experiências comuns e conhecer soluções em áreas de interesse das instituições representadas (hospitais, clínicas, laboratórios e demais prestadores).

“ Após definir os parâmetros da forma de trabalho na primeira reunião realizada em janeiro, em Santa Catarina, agora estamos conhecendo um pouco da realidade de cada uma das federações ‘sulistas´, com seus modelos de governança e gestão. Estes encontros igualmente evidenciam práticas exitosas e integram as entidades e seus colaboradores. Servem também para encontrarmos algumas respostas para problemas comuns. Acredito que poderemos lograr êxito, com projetos efetivos, para em seguida incentivar novas ´conexões´ e criar um ambiente sustentável na saúde, adicionando valor ao nosso propósito e missão. Os beneficiados, por fim, serão os nossos representados [estabelecimentos prestadores de serviços de saúde]”, explica Claudio Allgayer, presidente da FEHOSUL, entidade anfitriã da segunda edição, realizada no dia 21 de fevereiro, em Porto Alegre.

Renato Merolli, presidente da FEHOSPAR, seguiu na mesma linha. Após explanação de uma atividade especializada em certificação digital, o representante do Paraná resumiu o encontro. “ Exploramos exemplos interessantes que podem ajudar a incrementar o rol de serviços que oferecemos, principalmente com menos custos, algo que hoje é imprescindível pela crescente alta de preços e diminuição das margens no setor. ”

Tércio Egon Paulo Kasten, presidente da FEHOESC e do Sistema CNS, explica que o projeto está na fase embrionária. “ Por isso iniciamos com estas três federações da Região Sul, até pela facilidade de deslocamentos. Após filtrar as práticas que derem resposta positiva, incentivaremos que novas rodadas sejam criadas, inclusive ampliando para todo o Sistema CNS. Podemos classificar esta iniciativa como um ‘hub’, onde somente as práticas que alcançarem sucesso serão disponibilizadas para os demais receptores” afirmou o presidente da CNS. Tércio também sublinhou o espírito que norteia o movimento das entidades “ estamos tendo o cuidado de assumir com segurança a função de ´curadoria´ antes de lançar os projetos em maior escala ”, finalizou.

DRG

A diretora da consultoria IAG Saúde, Dra. Tânia Grillo, que também participou da atividade inaugural em Florianópolis, apresentou as funcionalidades e aplicações dos Grupos de Diagnósticos Relacionados (DRG) - do inglês Diagnosis Related Group - como um instrumento que vem a somar nos esforços para a sustentabilidade de toda a rede prestadora de serviços hospitalares e seu relacionamento com as fontes pagadoras. Com ela, estavam as assessorias técnicas das entidades, sendo pelo RS o médico Flávio Santos Borges, diretor executivo e a assessora de relacionamento Shirlei Gazave, ambos da FEHOSUL.

Diretora da consultoria IAG Saúde Dra. Tânia Grillo
Diretora da consultoria IAG Saúde Dra. Tânia Grillo

Tânia destacou que a reunião ofereceu uma oportunidade de discutir o uso do DRG com o enfoque hospitalar, buscando a melhoria no modelo assistencial e o potencial uso econômico da ferramenta no seu sistema de gestão.

“A metodologia DRG proporciona um grau de informação muito interessante que é a possibilidade de comparar resultados porque os pacientes são, através de algoritmos, agrupados em conjuntos similares homogêneos para o risco assistencial e consumo de recursos. Quando eu tenho grupos homogêneos, posso comparar resultados. Ao comparar resultados posso gerar previsibilidade de permanência, consumo de recurso e uma série de desfechos assistenciais”, explica.

Jurídico

A reunião juridica foi um encontro para aproximar as áreas jurídicas  das entidades participantes do G3, a respeito de procedimentos e realidades das condições de trabalho e funcionamento das entidades e estabelecimentos de saúde e dar uma visão mais sistêmica e integrada para a região.

O consultor jurídico da FEHOSUL, Dr. José Pedro Pedrassani – presente junto com o Dr. Marcus Vinicius Caminha – classificou como importante a atividade, pois clarificou alguns pontos ao quais já se tem uma identidade de pensamento. A gestão dos departamentos jurídicos e assuntos com eSocial, novas regras trabalhistas e ampliação dos serviços jurídicos das entidades patronais também estiveram presentes na pauta jurídica.

Assessores dos departamentos jurídico da FEHOSUL, FEHOSPAR e FEHOESC
Assessores dos departamentos jurídico da FEHOSUL, FEHOSPAR e FEHOESC

Certificações de qualidade e segurança do paciente

Nas atividades, foram discutidas ainda, as bases para a elaboração de um projeto de incentivo para a avaliação e o aprimoramento nos serviços de saúde e, dessa forma, melhorar a qualidade da assistência. A ideia é fornecer condições diferenciadas para hospitais, ambulatórios, laboratórios, serviços de pronto atendimento, home care, serviços de hemoterapia, serviços de nefrologia e terapia renal substitutiva, serviços de diagnóstico por imagem, radioterapia e medicina nuclear. Além destes, também estaria inserido, serviço de processamento de roupas para a saúde, dietoterapia, manipulação e esterilização e reprocessamento de materiais.

O coordenador do projeto Qualis-RS, da FEHOSUL, Flávio Borges, detalhou aos participantes como se concebeu o projeto que está em andamento no Rio Grande do Sul. “Apresentamos o Qualis-RS, que é fundamentado em pilares do Sistema Brasileiro de Acreditação ONA e de práticas relativas às ações de Segurança do Paciente, conforme preceitos da RDC 36 da ANVISA, bem como de padrões de qualidade e segurança adotados pelo Ministério da Saúde e de reconhecidos organismos internacionais. O projeto foi iniciado no RS em junho de 2017, e poderia ser perfeitamente replicado em outras federações do Sistema CNS, pois os resultados até agora têm sido edificadores para as empresas que aderiram ao projeto. ”

Além do DRG, foi discutido projeto de incentivo à acreditação
Além do DRG, foi discutido projeto de incentivo à acreditação